quinta-feira, 2 de julho de 2015

Um desperdício de um bom lençol

KKK Hoods (Associated Press)
Ku-Klux-Klan

É possível substituir um idiota por um idiota pior

Detestam negros, católicos e mórmones.  Odeiam estrangeiros.  São o desperdício de um bom lençol.  E andam a ressurgir nos Estados Unidos, como contraparte aos também idiotas New Black Panthers.

«Os mórmones têm cornos»

Há uma história, que é verdadeira, que se passou com um mórmone como eu, um tal de J. Golden Kimball, chamado por estes meios the cursing apostle.  Ele não era realmente apóstolo, mas conservava, segundo as suas próprias palavras, um pequeno subconjunto do léxico que tinha aprendido na sua adolescência, enquanto aprendia a conduzir mulas.  Era um homem de inteligência rara e de um humor refinado que bem rivalizava com Mark Twain.

O KKK ameaçou, no virar do sec XIX para o XX (creio que foi em 1891), os missionários mórmones da cidade de St. Louis que, se não saíssem até ao pôr do sol de determinado dia, os linchariam.  O KKK já tinha morto e torturado missionários durante as décadas de 70 e de 80.  J Golden Kimball, o presidente da missão nessa área, convocou os missionários para um vale num bosque perto de St. Louis, para orar, invocar a proteção divina e saber o que deveriam fazer.

A reunião prolongou-se para lá do pôr do sol.  Os encapuçados do KKK desceram a encosta para capturar os missionários.  J Golden Kimball, percebendo que não poderia fugir, pediu a todos os missionários que dessem às de vila diogo, enquanto ele enfrentaria os KKK e lhes faria ganhar tempo.  Imaginando que não seria bem tratado pediu que, se pudessem, remetessem o seu corpo para Utah, onde a sua família residia.

Os missionários subiram a encosta oposta e ficaram fora de vista.  J Golden Kimbal achou-se só, rodeado pelas bestas do Klan, alguns dos quais já estavam a juntar galhos para derreter o piche.

Num laivo de génio, J Golden Kimbal avisou-os:

--- Se eu fosse a vocês, punha-me a andar depressa.

Foi recebido com risos trocistas.  Sem se descair, continuou.

--- Os mórmones, numa noite destas de lua cheia, transformam-se em animais.  Crescem-lhes cornos e, quando os missionários voltarem, vão esventrar-vos um a um.

Alguns reagiram a medo.  Entretanto, olhando para a linha do horizonte, J Golden Kimball viu uma linha de homens: os missionários que voltavam, preferindo dar luta a deixar o seu presidente de missão naquele percalço.  No escuro, os cajados que traziam pareciam extensões da sua cabeça  J Golden Kimball apontou para eles e avisou os do KKK:

--- Vêem?  Já estão a voltar!  Salvem-se, fujam!

Fugiram.

E assim nasceu a lenda, ainda hoje contada no Sul dos Estados Unidos, de que os mórmones têm cornos.